eternamente grávida de ideias

Helen: Onírica.

Viver é um rasgar-se e remendar-se. João Guimarães Rosa

Some times

Joni Mitchell. Both sides now, 2000
Às vezes a vida se resume a uma cena de bar, onde você bebe algo amargo e sem gelo olhando para o espelho atrás do garçom. Palavras ditas sobrevoam sua cabeça como corvos grasnando mensagens que você não quer ouvir. Você olha para o lado e vê um homem, pequeno, destruído, chorando feito um bebê. Se compadece. Sorri, bebe mais um gole. Comenta com o garçom qualquer coisa que prevê as motivações daquele homem, porque a experiência te faz sábia.
Um dia daqueles, hum? Bom... Um camarada mais sábio do que eu disse, certa vez: "Às vezes você devora o urso e... bem... às vezes o urso é quem te devora".

The Stranger (Sam Elliott). The Big Lebowski, 1998. 

Mas... se compadecer é diferente de sentir pena. De querer cuidar. A gente chega em um ponto na vida que compreende que a dor é necessária. E ela até se faz bem-vinda. Aprendi, ou percebi, que sou o lado escuro dessa Lua que me rege. Já muito na vida aconselhei e encobri as pessoas para que elas não passassem vergonha, medo, dor, desespero. Hoje o que posso fazer é me compadecer. E respeitar o processo. Brindar a morte que chega. Morte é transformação.

Joni Mitchell. Both sides now, 2000
Aquele riso rouco que se dá na cena: é, amigo... Tudo isso apenas está começando. Você tem uma longa caminhada pela frente. Aproveite sua jornada, olhe bem o chão que pisa. Talvez um pedaço de pau te ajude a não cair de joelhos... Quem sabe uma lanterna? A noite é escura, a Lua se esconde entre nuvens negras. A luz fraca ilumina seu próximo passo. E o próximo. E o seguinte. Mas jamais o horizonte, isso apenas o Sol.
Mikhail Nesterov. The Hermit, 1889.
...you said
I am as constant as a northern star
And I said: Constantly in the darkness
Where's that at?

O melhor dessa história é que, só depois de ter escrito, descobri que Joni Mitchell possuía exatamente a cena que imaginei, obra própria, como capa de seu disco.

Quando penso em Saturno, Cronos... O Tempo, que todos temem e se arrepiam... Eu sempre penso em Sam Elliott, com sua voz trovejosa mas terna, com esse sorriso sábio no rosto de quem já presenciou tudo isso e sabe onde vai dar... Tranquilo, despreocupado. Sussurrando palavras sábias, jogando-as ao vento. E indo embora como apareceu: silencioso.

ATENÇÃO: se você quer comentar, mas não possui conta no disqus, ou não consegue fazer login, escreva teu comenário normal, clique no campo "name" e selecione onde estiver escrito "I'd rather post as a guest"