9 de jan de 2018

16. Don't you (forget about me)

Deixei de responder muitos questionários, tags e memes da internet porque levava a coisa tão a sério que tinha que descobrir, quando perguntada, o que realmente era A coisa favorita DE TODAS sobre aquele tema. Mas existe uma máxima sobre o tempo. Vou escrever no próximo parágrafo só para enfatizar.

A coisa boa do tempo (e ruim também, dependendo do contexto) é que a gente se cansa. Isso serve para muita coisa.

O tempo não só passa. De que adianta o tempo passar e nada mudar, não é mesmo? Não sei, estou pensando agora. Em momentos de desespero, sempre existem aqueles conselheiros ma-ra-vi-lho-sos e súpêr pertinentes (mêo!) que dizem assim: "tudo na vida passa". Olha, mas que legal, obrigada, desligou meu desespero assim, num click, porque tudo na vida passa então meu drama mexicano Soraya Montenegro só aconteceu porque eu não tive a brilhante ideia de pensar que o tempo passa. A pessoa que diz isso não está errada, de forma alguma. É o modo que ela aconselha que me irrita. É sempre um ar de superioridade pseudo-sábia arrogante que me dá nos nervos. Mas não era isso o que eu ia dizer, perco o controle dos pensamentos quando lembro de conselhos. Odeio conselhos. A menos que eu peça e a pessoa tenha um modo humilde de querer me ajudar, e não só pretenda ser humilde ou pretenda querer me ajudar. Se é que dá para entender.

O tempo passa e a gente se cansa. É isso aí. Cansei de muitas coisas em relação a seres humanos. Perdi muito a paciência, que já era escassa, com algumas coisas e simplesmente me cansei de outras, tanto faz como tanto fez.

Então eu cansei de querer ser séria em momentos que, bem, foda-se.

Uma das minhas 𝜋 músicas favoritas de um filme é uma música que acompanhou bem meu 2017 porque ele foi muito pós-punk. Puxa, puxa, que puxa, recontrapuxa, que ano punk foi o ano passado. Eu tive que dançar músicas tristes dos anos 80 indo ao trabalho para poder me aguentar e aguentar os outros.

Então eu estava aqui, no dia em que voltei de viagem, triste à beça, me perguntando o que ainda faço nesta região do Brasil, quando decidi ver um filme naquele serviço de streaming de filmes que pretende ser cool, mas não passa de mais uma empresa capitalista que engana a nós, jovens. Achei um terror espanhol, e como já vi outro terror espanhol bom demais nesse mesmo site, pensei why not? Não recomendo. Então quando acabou esse fui ver minha lista e vi lá aquele filme que-todo-mundo-adora daquele diretor que é realmente-ótimo-pena-que-morreu. Acho que nunca havia visto na tevê.

Nos primeiros cinco minutos eu pensei "meu deus do céu minha música", "nossa o mesmo cenário daquele outro filme" e "nossa é isso que a juventude ama e idolatra? será mais um Pulp Fiction em minha vida?*" e depois "meu deus que meninos bonitos" e "que menina linda e fofa" e "CARL, não posso esquecer desse nome", entre outras coisas.

Mas é isso. Breakfast Club vale a pena demais. Não é noOooOssa, e são várias questões, mas os filmes de jovens dos anos oitenta não decepcionam (como os atuais). Sim, vale a pena enchermos nossos tumblrs com gifs das dancinhas, dos óculos maneiros, dos cheiros que a patricinha dá no cangote do menino rebelde que guarda coisas ilícitas no armário e não tem paciência para a hipocrisia do mundo (o que me lembra ~momentos~), etc.

Ainda bem que o Judd Nelson tinha 26 anos à época do filme e eu total posso ter um crush nesse neném. Benza-te-Deus, meu filho.
E sabe o que vale muito a pena também? O Carl. Que homem.

Na verdade o John Lennon é o menos legal - o nada legal - dos Beatles, é que o gif que eu queria não existe. Mas esse zelador é bonito demais
Mas o desafio não é falar dos adolescentes em detenção odiando (com razão) o mundo adulto e suas injustiças. É falar de:

16. one of your favorite songs from a movie (uma de suas músicas favoritas de um filme)

Não tenho muito o que dizer sobre essa música ou sobre o Simple Minds, que quase nada ouço como banda num geral, apenas posso dizer que esse uuuuuh uuooÔh impacta o mais profundo do meu útero, por assim dizer.


Antes de ir embora eu preciso postar mais um gif porque, assim, mulheres que chegam chegando beijando no cangote merecem destaque, porque ô coisa boa é um cangote meu deus do céu.

"Só vai, garota" (conselho para mim mesma)
Agora vá lá ver um filme de adolescentes bacana para se divertir um pouquinho neste meio de semana, porque se você mora no sudeste do Brasil, rain keeps falling e ver filmes simpáticos deitada com o cobertor até a cabeça é bom demais.
Don't you try and pretend
It's my beginning
We'll win in the end
I won't harm you
Or touch your defenses
Vanity, insecurity
Don't you forget about me
I'll be alone dancing, you know it, baby

* Pulp Fiction, o famigerado filme que eu detestei (mas estou seriamente pensando em rever para 1: ou mudar meu conceito 2: ou arranjar elementos para provar porque ele é ruim e Kill Bill Vol. 1 é imbatível, se você for pensar nos trabalhos do tal do Quentin Tarantino).

Ah! Leia mais textos do meu 30 day music challenge.

6 comentários :

  1. Também tenho esse problema de levar as tags too seriously (passo mais de semanas pra responder uma de dez perguntas bestas).
    Clube dos Cinco é um dos meus filmes favoritos. Sempre que falo dele, falo justamente isso: não é a produção cinematográfica do século, mas, pô, que filme maneiro.
    p.s: achei que só eu achava um charme o Bender

    um beijo,
    acid-baby.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahha nada! o Bender é uma graça! tenho um lance sério com caras desse tipo. gostei bastante do filme! talvez eu gostasse mais se tivesse visto mais moça, na sessão da tarde, como aconteceu com Curtindo a vida adoidado; mas adorei, todos os personagens. fiquei com vontade de um livro sobre as histórias particulares de cada um, num estilo dramático meio stephen king.

      beijão!

      Excluir
  2. Guria estou apaixonada por você. Essa música é uma das minhas preferidas da vida, eu consigo me ver com essa música em tantas situações. Como na escola quando passo no corredor, me vem essa música na cabeça, quando to no banho, ela faz parte da minha trilha sonora sabe e o filme também me traz recordações boas da minha infância, e eu já vi umas 50 vezes no minimo. Amei o post e você *-*

    https://atdaytime-crazyatnight.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. gente, que bacana! conheço a música a vida toda mas ela só veio me tocar há um tempo. é maravilhosa demais! fico feliz que tenha gostado do post e de mim hahaha, obrigada e sigamos nos lendo!

      beijo!

      Excluir
  3. menina você acredita que nunca assisti pulp fiction e kill bill na vida? minha experiência cinematográfica é quase 0% mas porém EU AMO DEMAIS essa música ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ahhh! eu recomendo os dois filmes, mesmo não gostando de pulp fiction. vale a experiência.
      e sim, a música é maravilhosa <3

      Excluir

Olá! Obrigada por se dispôr a comentar. Caso queira saber de resposta, antes de me enviar o comentário clique em "notifique-me", recebendo um aviso por e-mail. Ainda assim, quando comentar em seu blog postarei um link encurtado da resposta. Obrigada!